Melatonina Liberada no Brasil, Melhora o Sono e a Saúde

Melatonina o hormônio do sono: pode ajudar mais do que apenas seu sono

A melatonina é um hormônio produzido naturalmente pela glândula pineal em resposta à escuridão. Os níveis permanecem altos durante o sono até que a glândula pineal diminua a produção em resposta à luz.

A melatonina sintética, que até pouco tempo só era comprado no exterior, acaba de ser liberada pela Anvisa para ser comercializado no Brasil em forma de medicamento manipulado com prescrição médica.

Os efeitos da melatonina sobre o sono, outros hormônios e câncer são a razão pela qual foi estudada desde sua descoberta na década de 1950. Em meados da década de 1990, a melatonina sintética tornou-se disponível como suplemento nutricional que melhora a saúde.

Os suplementos de melatonina são frequentemente recomendados para problemas de sono envolvendo ciclos de sono, como desaceleração ou trabalho irregular na noite. Os suplementos de melatonina também são recomendados para distúrbios do sono devido a efeitos colaterais de medicação de pressão arterial, de parar drogas benzodiazepínicas ou de parar de fumar. A melatonina também pode ser administrada para insônia ligada ao transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e ao autismo em crianças.

As pessoas que têm problemas para dormir normalmente têm níveis baixos de melatonina, então os suplementos de melatonina parecem ser uma solução lógica para a insônia.

No entanto, a melatonina pode ajudar mais mais do que somente o sono. A melatonina também regula o início da menstruação, o comprimento dos ciclos de ovulação e a menopausa, de acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland. Os suplementos de melatonina são supostos para ajudar a perda óssea e sintomas da menopausa.

Ocasionalmente, a melatonina é utilizada como medicamento complementar no tratamento do câncer de mama, cérebro, pulmão, próstata, cabeça e pescoço ou câncer gastrointestinal. Isso por causa de seus efeitos antioxidantes que estimula os glóbulos brancos a atacarem as células cancerosas.

A melatonina também é usada para mitigar os efeitos colaterais da quimioterapia, incluindo perda de peso, dor nervosa, fraqueza e uma condição chamada trombocitopenia.

Uma variedade de outras condições são supostamente beneficiadas com suplementos de melatonina, incluindo doença de Alzheimer, depressão, síndrome de fadiga crônica, fibromialgia, enxaqueca, síndrome do intestino irritável e epilepsia.

Os suplementos de melatonina são seguros?

A melatonina é segura para a maioria das pessoas quando tomadas por um curto período de tempo. No entanto, a melatonina pode causar efeitos colaterais, incluindo dor de cabeça, sonolência diurna, sintomas de depressão de curta duração, cãibras no estômago, tonturas e irritabilidade.

Os suplementos de melatonina devem ser evitados durante a gravidez, durante a amamentação. Crianças ou adolescentes não devem usar suplementos de melatonina, pois ela pode interagir com outros hormônios e interferir com seu desenvolvimento.

A melatonina pode aumentar a força do sistema imunológico, o que pode causar problemas para pessoas com alergias graves, artrite reumatoide, linfoma e outras condições ligadas ao sistema imune hiperativo. Pessoas com distúrbios do sistema imunológico devem falar com um médico antes de tomar suplementos de melatonina, pois ela pode enfraquecer a eficácia dos imunossupressores.

A melatonina pode retardar a coagulação do sangue, portanto, tomar melatonina juntamente com medicamentos que também retardam a coagulação do sangue podem levar a contusões ou hemorragias excessivas. A melatonina também pode produzir esse efeito colateral se for tomado com ervas que reduzem a coagulação sanguínea, como angélica, cravo, alho, gengibre, ginkgo, ginseng, trevo vermelho e salgueiro.

A melatonina pode aumentar o nível de açúcar no sangue, diminuindo assim a eficácia dos medicamentos para diabetes para baixar o nível de açúcar no sangue. A melatonina também pode restringir os vasos sanguíneos, o que pode ser perigoso para pessoas com hipertensão ou doença cardíaca.




Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *